segunda-feira, março 20, 2017

O trauma de ser adepto do Benfica


Vem este texto a propósito da larga depressão que assolou os adeptos benfiquistas entre o final da noite de sábado até às 20h deste domingo. E visa traçar as características gerais da maioria dos adeptos sub-40 dos encarnados. Eu faço parte deste grupo (sub-40 e adepto do SLB) mas por não me rever minimamente nos seus comportamentos, nada melhor do que expor detalhadamente o seu perfil...

O adepto benfiquista é assim, está sempre tudo mal. A começar pelo treinador, a passar pelo presidente, até aos jogadores e às modalidades. Mas o mais curioso é que adepto benfiquista, com até 40 anos, praticamente nunca viu o Glorioso que lhe contaram que o Benfica foi na geração dos seus pais e avós. Ao longos dos últimos 20 anos, com exceção do atual tricampeonato, viu o Benfica vencer duas miseráveis vezes. Viu o clube passar a sua pior fase, sem vitórias, sem dinheiro e quase na falência, sem formação, sem modalidades. Nada ganhava.

Ao longo dos últimos anos os momentos de glória regressaram. No futebol, com 4 títulos em 7 anos. Duas finais europeias, várias Taças de Liga e ainda mais uns troféus entre Taça de Portugal e Supertaça. Nos escalões mais jovens começam a brotar talentos, vários já vendidos por vários milhões para clubes de top europeu, como Renato Sanches ou Gonçalo Guedes, para além de duas presenças na final four da Youth Champions League e a única equipa europeia a marcar sempre presença nos quartos-de-final da competição nas suas quatro edições. Nas modalidades as vitórias têm sido mais do que muitas, no Hóquei, onde até dois títulos europeus foram ganhos nos últimos anos, no Voleibol, no Basquetebol, no Futsal e até um ou outro no Andebol onde apesar de tudo o Benfica investe menos face aos rivais.

Porém, se formos navegar nas redes sociais ou no mais popular fórum online dedicado ao clube, o Ser Benquista, e estivermos completamente out em termos de informação desportiva, pensamos que ainda estamos em plena década de 90, com Vale e Azevedo à frente dos destinos do clube e com o ponto mais alto da atualidade a ser o patrocínio a uma equipa italiana de pólo aquático...

O Presidente é acusado de nada fazer de jeito pelo Benfica e de apenas estar preocupado em vender jogadores (de facto parece ser uma preocupação a ver pelo quase roadshow em período de janela de transferências). Qualquer entrevista que dá é escalpelizada ao detalhe sempre em tom crítico. Mas quer-me parecer que por muitos erros que tenha cometido e muitos defeitos que tenha, foi este presidente quem tirou o Benfica do buraco e voltou a colocá-lo na frente do futebol nacional, ou um tricampeonato era algo a que estavam habituados? Em 36 anos da minha vida foi algo que nunca tinha visto...

Quando passamos para o treinador, o tom da crítica sobe ainda mais. "Não é um treinador à Benfica" é a crítica mais comum. O que será isso? Jesus não o era pois era mal educado e não apostava nos jovens. Rui Vitória aposta nos jovens mas é demasiadamente educado e apesar da equipa ter tido o recorde de sempre de pontos na Liga NOS no primeiro ano à frente da mesma e liderar este ano a Liga quase desde início apesar de mais parecer treinador da secção de Ortopedia do Hospital da Luz, isso é insuficiente. Porque para o benfiquista sub-40, o Benfica tem de ganhar tudo. Todos os jogos. No mínimo por 5-0. E ganhar a Champions porque o Real Madrid ou o Barça ao pé do Benfica são Aroucas e Tondelas da vida.

Não havia aposta nos jovens e agora há, mas nem assim Rui Vitória satisfaz. Basta ler este "belo" texto ou este, que apesar de concordar com toda a parte inicial, quando chega às observações ao treinador do Benfica, consegue a hilariante comparação com o técnico italiano Sarri, do Nápoles, que nunca ganhou nada na vida mas fuma no banco e isso mostra uma fibra qualquer merecedora de orientar os destinos das águias.

Ora em conclusão, um treinador à Benfica é alguém a quem ganhar não chega, certo? E ganhar com jovens da formação no onze também não?

Mas esta depressão constante do adepto benfiquista sub-40 após qualquer derrota ou empate nota-se igualmente noutros quadrantes. Por exemplo nas camadas jovens e equipa B. Frequentando com regularidade o fórum Ser Benfiquista, vemos que Hélder Cristóvão, apesar de ter ajudado a lapidar vários talentos antes da chegada à equipa A com sucesso, é pior treinador que um qualquer Vercauteren desta vida. E João Tralhão, que apesar de também contribuir decisivamente para tantos talentos estarem já na ribalta, e de ser um dos grandes obreiros pelo sucesso internacional dos juniores, é criticado por ser incapaz de ganhar o campeonato de juniores mesmo tendo mais de 6 titulares e estrelas da sua equipa a jogar na B? Isto é o Benfica meus amigos, aqui tem de se ganhar o campeonato de juniores, juvenis e iniciados nem que seja com os miúdos de 5 anos que pagam para andar na escola do Benfica!

E termino com as modalidades, onde o maior exemplo é o treinador do Hóquei, Pedro Nunes, que é constantemente criticado neste fórum apesar de ter ganho os últimos dois títulos nacionais quase sem derrotas, de ser bicampeão da Europa nos últimos três anos, etc. Qualquer treinador de qualquer modalidade é para o adepto encarnado um alvo a abater. À primeira derrota, rua com eles todos que isto é o Benfica e no Benfica não ser perde.

Não é fácil por vezes ser adepto deste clube. Parece que todos têm o rei na barriga e acham que os rivais, seja em que modalidade for, não existem, porque todos estão abaixo do Benfica e qualquer ano onde haja três empates ou 2 derrotas, mesmo sendo campeão de qualquer modalidade, fica abaixo do que estes adeptos querem.

O que se passou este fim-de-semana após o empate na Mata Real e até ao empate do Setúbal no Dragão, foi o paradigma do que aqui descrevi. Na realidade isto não é mais do que o espelho do adepto traumatizado, que é a melhor forma de descrever o adepto do Benfica. Foram 20 anos de traumas e por isso, apesar de hoje o Benfica dominar o desporto português em quase todas as modalidades e ser tricampeão de futebol, que é obviamente o que mais importa aos fãs de qualquer equipa, à primeira dúvida ou vacilação submergem numa onda de pessimismo que vão regressar os tempos de seca e míngua de vitórias. Quantos anos mais de vitórias serão precisos para ultrapassar este trauma?

Curioso que o SLB disponibiliza agora a sua clínica no Estádio para os seus sócios. Talvez o melhor seja abrir um consultório de psiquiatria gratuito...







Nenhum comentário: